Tempo de leitura: 2 minutos

O simples escutar de um nome evoca em nossa cabeça um conjunto de experiências, impressões e sentimentos que temos em relação a determinada pessoa. Nosso nome carrega nossas características, qualidades e, acima de tudo, nossa reputação.

Da mesma forma que marcas são administradas por meio de um conjunto de ações para consolidá-las na mente do consumidor, todo profissional pode e deve cuidar de seu nome como uma marca pessoal.

O chamado Personal Branding significa tornar seu nome uma marca forte no mercado: quem você é, como se define, como se mostra e o que projeta para as outras pessoas.

Ele inicia com uma investigação profunda, para uma compreensão dos principais atributos que te tornam único e que te posicionam e o diferenciam das outras pessoas. Nele, respondemos a 3 perguntas: Quem você é; O que você faz; Qual o seu diferencial, ou como você cria valor para o seu público.

Isso permite comunicar-se com clareza a respeito de quem você é e o que tem a oferecer. Como benefício, ajuda a estabelecer metas e objetivos profissionais para impulsionar a carreira; fortalecer a imagem, diferenciar-se da concorrência e inspirar confiança e credibilidade. Isso vale para quem está começando e para quem já está há tempos no mercado.

Como esse processo acontece? Por meio dos valores nos quais acreditamos como profissionais e que definem nossas atitudes, até a maneira como damos bom-dia até como nos vestimos e falamos.

A primeira etapa é determinar o que você tem a oferecer, isto é, seu ativo. Faça uma análise de seu currículo, dos projetos que já realizou, de sua rede de contatos. É importante ter essas informações por escrito e que elas sejam atualizadas regularmente.

Assim, você pode acessá-las facilmente. O segundo passo é ter uma visão clara do que se quer atingir e definir quais valores você quer projetar. A gestão da marca pessoal é baseada em autenticidade: não criamos uma marca – nós a gerenciamos. Não se trabalha com uma imagem pretendida, mas sim com quem a pessoa é na sua essência.

Depois, é necessário que você faça uma avaliação da imagem que projeta hoje e do que deve ser aprimorado. Cada uma de suas ações, um e-mail que você envia, um telefonema que dá, como se comporta em eventos e reuniões, cria impressões que ajudam a fortalecer sua marca pessoal.

Quando suas ações refletem seus valores, as pessoas têm uma ideia clara de quem você é. Cuidado com múltiplas personalidades: você deve zelar para que a experiência que as pessoas têm de você no mundo offline é a mesma que elas têm no mundo online. Deve haver coerência.

Marca pessoal não é sobre você, mas sim sobre o valor que você traz na interação com outros: gerenciar a marca fundamental se baseia, principalmente, em saber a forma que você “deixa uma marca” nas pessoas com quem se relaciona.

No decorrer desse processo, seja objetivo e evite levar a análise para o lado emocional. Não se trata de provar alguma coisa para alguém. Lembre-se: integridade e honestidade são qualidades fundamentais nesse processo – e para qualquer boa reputação. Você só tem a ganhar.

[shareaholic app="share_buttons" id="25714566"]
Receba novidades por e-mail.