Tempo de leitura: 3 minutos

Perdi a conta de quantas vezes já ouvi bons profissionais dizendo “eu não sou criativo”, como se tal situação fosse imutável e ter criatividade se restringisse a um pequeno grupo de iluminados por um dom divino. O curioso é que essa crença limitante é o que impede as pessoas de resgatar essa habilidade essencialmente humana e que, portanto, todos nós dominamos. Conforme prometido no título, vou lhe contar qual o segredo das pessoas criativas, mas antes convido você a refletir um pouco sobre os porquês e lhe garanto que essa reflexão faz parte do segredo, ok?

INFÂNCIA

Você deseja observar a criatividade sendo exercida em seu pleno potencial? Não precisa ir a um concerto nem participar de uma reunião de brainstorming, basta observar uma criança brincando. Filhos, sobrinhos, desconhecidos no shopping… não importa! Só observe. Note como é natural para uma criança inventar um universo próprio, criar personagens, misturar histórias reais com fantasias. E o melhor: ninguém ensina uma criança a fazer isso. Ela simplesmente faz, de maneira natural.

Isso acontece porque, na infância, recebemos diferentes estímulos o tempo todo. O processo de descoberta do mundo é repleto de novas palavras, sons, cheiros, sabores, entre outras informações que mexem com a imaginação da criança e fazem com que ela se interesse por tudo. Por isso as crianças querem saber por que o céu é azul, por que o pescoço da girafa é comprido, por que o Hulk é verde etc. E são essas explicações que ampliam o repertório da criança e possibilitam que ela crie, por exemplo, uma história de uma girafa verde que voa em um céu roxo.

A VERDADE

Pois bem, contei essa breve história para fazer a seguinte afirmação: todo mundo nasce criativo, mas, infelizmente, os estímulos que recebemos ao longo da vida (ou a falta deles) acabam minando nossa curiosidade e nossa capacidade de combinar as coisas.

Hoje já observo algumas mudanças, mas a minha geração (Y -> os nascidos na década de 1980) ainda sofreu bastante com um sistema educacional 100% preparado para exterminar sua criatividade. Afinal, o professor era a autoridade máxima (questioná-lo? Nem pensar!), as provas exigiam que você decorasse coisas (tabelas, fórmulas etc.) e havia pouco espaço para fomentar questionamentos e discussões.

O resultado disso é que, como qualquer habilidade, a criatividade é esquecida pela falta de treino. Portanto, se você deseja voltar a ter bom desempenho no quesito criatividade, vai precisar exercitar duas coisas:

CURIOSIDADE

Dê uma olhada lá no primeiro parágrafo quando falei sobre crença limitante. Se você não se perguntou “ué, por quê?”, provavelmente você já se acostumou a não questionar mais as coisas.

As pessoas criativas preservaram a curiosidade natural da infância e continuam questionando os porquês sempre que possível. Consumir conteúdos diferentes é algo comum para pessoas criativas, como se o mundo fosse um texto na Wikipédia, todo hiperlinkado, sabe? Você está lendo sobre uma coisa, de repente vai pra outra, e pra outra… Quanto mais curioso você for, mais descobertas fará e seu repertório para o que vem a seguir estará ainda mais rico.

COMBINAÇÃO

Sabe aquele famoso ditado “Nada se cria, tudo se…”. Não importa se você completou com a palavra TRANSFORMA, atribuída ao pensador Antoine Lavoisier, ou a palavra COPIA, cunhada pelo apresentador Abelardo Barbosa (mais conhecido como Chacrinha), o princípio é o mesmo: para ser criativo basta combinar o que já existe no mundo em um contexto diferente. É copiar, transformar e dar uma solução nova para problemas antigos, porque nada vem do nada, entende? Uma boa ideia sempre será resultado de duas ou mais coisas já existentes e que foram combinadas de um jeito diferente.

Parece complexo, mas é tão simples quanto inventar uma história que contenha uma girafa verde que voa em um céu roxo. Basta ter em seu repertório todas essas imagens e explicações, e apresentá-las ao mundo em uma versão diferente. Não conseguimos imaginar aquilo que nunca capturamos antes. Portanto, criatividade tem que ver com repertório.

Ok, mas como faço para ampliar repertório?

Simples. Consuma conteúdos. Leia sobre assuntos que não fazem parte de seu universo, assista a filmes e peças de teatro de gêneros que você não costuma ver, interesse-se pelas histórias das pessoas e questione por que elas fazem o que elas fazem. Enfim, olhe para o mundo com o mesmo interesse de uma criança e garanto: as ideias simplesmente brotarão em sua cabeça.

Gabrielle Teco, head of Marketing & People na GESTO Jornalista de formação e curiosa por convicção, escrevo e dou palestras sobre temas que me interessam: de alimentação saudável a empreendedorismo, pois essa diversidade me instiga e diz muito sobre mim. Técnica em Nutrição, pós-graduada em Marketing, trabalhei por quase 10 anos em startup, passei pelas melhores universidades do país e já vivi uma experiência incrível em Stanford. Desde 2017 assumi novos desafios na GESTO, scale-up com o selo Endeavor, e estou amando trabalhar por um propósito incrível: trazer sustentabilidade para o setor privado de saúde no Brasil!

[shareaholic app="share_buttons" id="25714566"]
Receba novidades por e-mail.