fbpx
Tempo de leitura: 3 minutos

Obter sucesso na carreira – e com ele, alcançar também a estabilidade financeira – é o que todo jovem almeja quando começa a pensar no futuro. E se antes já havia uma pressão da sociedade para que isso acontecesse, ultimamente, com a geração Millennial, essa pressão parece ser ainda mais forte.

Dados apontam que os Millennials se sentem mais pressionados do que as outras gerações a serem bem-sucedidos e 67% deles afirmam que sentem uma pressão “extrema” para que tenham sucesso na carreira. Tudo isso pode ser reflexo de uma sociedade que os define como fracassados caso não se tornem artistas de sucesso, empreendedores ou CEOs de startups até os 25 anos.

Mas a busca desenfreada para alcançar o êxito em sua profissão é uma preocupação da maioria das pessoas, independente de cargo ou geração. Você pode estar trilhando um caminho para conseguir uma promoção ou enfrentando desafios para que seu negócio dê bons resultados, mas uma coisa é certa: sempre existirá uma pressão sobre você dizendo que precisa fazer mais!

Isso sem contar com a cultura organizacional de muitas empresas – que está caindo em desuso, mas ainda existe – que associa longas jornadas de trabalho e outras práticas tóxicas ao sucesso. Trabalhar o dobro pode até te garantir bons resultados, mas pode também custar sua saúde mental. Será que vale a pena pagar esse preço?

O esgotamento que pode acabar com sua saúde mental

A saúde mental tem sido um dos temas mais debatidos nos últimos tempos, seja na internet – por meio de notícias ou nas redes sociais – ou dentro do seu ambiente de trabalho. Todos têm falado as mesmas coisas e buscado alternativas para manter a mente sã e salva.

Não é à toa que muitas empresas, hoje, invistam em mindfulness, e algumas estão até colocando psicólogos à disposição de seus funcionários para que eles tenham um momento de terapia durante o expediente quando precisarem.

Apesar de defenderem que mindfulness e outras técnicas de meditação trazem bem-estar, reduzem o estresse e ajudam a melhorar a concentração e a produtividade de seus funcionários, a discussão em torno da saúde mental é mais profunda e tem muito a ver com saúde organizacional. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é líder mundial em transtornos de ansiedade e ocupa o quinto lugar em taxas de depressão.

As causas podem ser provocadas por vários fatores, entretanto, estudos apontam que um deles pode ser associado ao esgotamento e ao estresse gerados em um ambiente de trabalho tóxico, que também conhecemos como Síndrome de Burnout.

Ressignificar o sucesso promove a saúde e o bem-estar

No Brasil, cerca de 32% dos profissionais sofrem com estresse e esgotamento nas organizações. Em 2017, a Previdência Social apontou que os transtornos mentais ficaram entre as 10 principais causas que têm afastado muitos trabalhadores de seus cargos. Episódios depressivos geraram 43,3 mil afastamentos e transtornos ansiosos também apareceram na lista, na 15ª posição.

A busca pelo sucesso – seja para alcançá-lo ou mantê-lo – pode fazer com que você deixe sua saúde de lado e acabe sofrendo alguns desses transtornos. Arianna Huffington, fundadora do The Huffington Post, CEO da Thrive Global e autora de 15 livros, alcançou o sucesso na sua carreira e se viu vítima dele.

Ela, que foi eleita pela Revista Time como uma das 100 mulheres mais influentes do mundo, afirma que a cultura de que devemos trabalhar demais para progredir tornou-se um problema global e hoje luta para mudar esse mindset dentro das empresas, mostrando que o bem-estar de seus funcionários pode ser a maior vantagem competitiva do futuro.

“Agora temos muitas evidências, e muitos dados, que mostram que quando estamos esgotados, não tomamos as melhores decisões. Não operamos do lado mais sábio de nós mesmos e muitos líderes estão começando a perceber isso”, afirmou Huffington em entrevista.

Em 2007, Arianna teve um colapso causado pela exaustão, quando desmaiou em sua própria mesa e acordou sobre uma poça de sangue e com a maçã do rosto quebrada. Foi aí que ela percebeu que algo estava errado. Após passar por essa experiência traumática, resolveu escrever dois livros, Thrive e The Sleep Revolution, baseados em pesquisas científicas que constatam que o bem-estar cria pessoas para serem bem-sucedidas. E Huffington está determinada a usar a ciência e os dados para provar seu ponto de vista:

“Quais são os gatilhos de estresse que levam a problemas maiores como doenças cardíacas e diabetes? Setenta e cinco por cento dos custos e problemas de saúde são causados por doenças relacionadas ao estresse e que poderiam ser evitadas. Isso é enorme se você olhar para o fato de que a maioria das empresas têm custos crescentes com saúde. É por isso que é importante medir o impacto que estão tendo.”

Huffington ainda afirma que “quando cuidamos de nós mesmos, somos mais eficazes, somos mais criativos e temos mais sucesso em uma definição ampla da palavra”. Talvez o grande desafio para as próximas gerações seja a construção de uma nova cultura que tire o foco dessa luta desesperada cujo objetivo é o alcance de dinheiro e poder, ressignificando a definição do sucesso para algo que traga prosperidade, e que tenha como principal objetivo estimular uma vida saudável, que abra as portas para mais significado, propósito, alegria, paz e bem-estar.

Natália Fazenda
Área de Conteúdo da HSM

Receba novidades por e-mail.