blogSU: fique por dentro
do universo SingularityU

O cérebro humano tem limitações bastante importantes, especialmente nos aspectos de memória, velocidade de processamento e também grandes padrões distorcidos de julgamento, levando a crer que algo está muito errado, quando, de fato, não está. Olhando de uma forma mais detida, não parece ser esse o sentimento. Nas condições atuais, nosso cérebro não consegue mais acompanhar o que ocorre no mundo.

 

A inteligência humana tem sido a grande fonte de transformações da natureza desde tempos imemoriais. A inteligência, elemento fundamental para a resolução de problemas de forma eficiente, fez com que o ser humano conseguisse achar alimentos, combater predadores, buscar melhores locais para se estabelecer, replicar seu DNA e popular todo o planeta. Chegar aos dias de hoje definitivamente não foi um feito pequeno.

 

Estamos num momento ápice da característica mais humana. Elementos inanimados, aos quais demos vida, começam a agir de forma autônoma: carros e meios de transporte inteligentes, capazes de decidir sozinhos o melhor caminho e evitar o mal que hoje cometemos por imperícia, imprudência ou negligência; computadores que brincam sério e aprendem a vencer jogos dificílimos como xadrez ou go.

 

Começamos a assumir que o computador e os processos cognitivos programados nessas máquinas têm um poder nunca antes imaginado, ultrapassando a capacidade da média de pessoas altamente treinadas para executar tarefas das mais simples às mais complexas. Dá medo do que essas máquinas podem fazer? Sim, claro. Porém elas também podem nos ajudar a responder a uma das perguntas mais difíceis da existência humana, algo que temos tentado fazer, uma reengenharia reversa no cérebro: entender quem somos nós.

 

IA é um dos tópicos de importância capital para superar os maiores desafios da humanidade. A engenharia desses agentes, que podem observar, raciocinar, agir, aprender e cooperar para resolver determinados problemas, dos mais simples aos mais complexos, disponíveis na ponta dos dedos, sem fronteiras, nos convida a explorar os maiores dilemas e desafios com a máxima sabedoria disponível em nós mesmos.

2018-04-09