Categorias
Blog

Zoom: o antes, durante e depois da pandemia (que não durará para sempre)


Rápido, qual é o produto de tecnologia mais associado ao trabalho remoto durante a pandemia? Sem contestação: é o Zoom. O serviço de videoconferência se tornou sinônimo de produtividade home office. Pensando nisso, a Fast Company fez uma análise da empresa que mais ganhou destaque no último ano, avaliando o antes, durante e depois da pandemia.

Levantamos os principais pontos do artigo que demonstra como antecipar necessidades pode ser determinante no sucesso de uma organização.

Nos anos anteriores ao coronavírus transformar as salas de conferências em cidades fantasmas, o Zoom prestou muita atenção à experiência de reuniões no escritório. No início de sua história, a empresa criou o Zoom Rooms, focado em ajudar com as reuniões virtuais e gerenciar a disponibilidade de salas de conferência. A empresa também trabalhou com fabricantes de hardware para oferecer equipamentos como webcams projetadas para capturar uma sala inteira, em vez de uma única pessoa sentada na frente de um laptop.

Avançando para fevereiro de 2021, as pessoas ainda não estão voltando ao escritório; uma porcentagem significativa pode nunca voltar. Mas com as vacinas COVID-19, não é completamente irracional pensar em um futuro com salas de conferência novamente repletas de pessoas.

“A grande notícia é que, ao olharmos para 2021, estamos começando a nos preparar para voltar ao trabalho”, disse Harry Moseley, CIO do Zoom a Fast Company. “Mas o fato é que quando você olha para qualquer dado de pesquisa que está sendo feito por organizações internas ou externas, o consenso é que 20% das pessoas estão dispostas a estar em um escritório cinco dias por semana, 20% de as pessoas querem trabalhar em qualquer lugar cinco dias por semana, e 60% das pessoas preferem ir ao escritório dois a três dias por semana.”

Então, o Zoom está pensando em uma nova era de trabalho híbrido – um período em que as pessoas que passarão algum tempo no escritório estarão compreensivelmente sensíveis à sensação de insegurança quanto ao vírus.

Os usuários das salas de zoom poderão gerenciar uma reunião tocando em seus próprios dispositivos, em vez de em uma tela compartilhada (Zoom).

Pensando nisso, a empresa contará, em breve, com a possibilidade dos usuários emparelharem o sistema Zoom Room com seus próprios dispositivos móveis iOS ou Android. Isso permite que eles controlem a experiência em uma tela que apenas eles tocam. Com determinados hardwares de câmera de sala de conferência, a empresa também está adicionando um recurso de contagem que reportará o número de pessoas em uma reunião física com o objetivo de garantir que as diretrizes de distanciamento social sejam atendidas. Um aparelho de câmera de sala de conferência Zoom chamado Neat Bar monitorará e detalhará a qualidade do ar de uma sala, umidade, CO₂ e compostos orgânicos voláteis.

Alguns hardwares do Zoom agora são capazes de contar os participantes da reunião em uma sala e alertar outras pessoas antes que elas entrem.

Zoom Rooms também está adicionando um recurso de recepcionista virtual que permitirá que as empresas coloquem um tablet em um saguão, permitindo que os visitantes façam check-in por vídeo com um recepcionista humano trabalhando remotamente, em vez de estar atrás de um escudo de vidro. “Você não precisa ter cinco recepcionistas em cinco andares”, diz Moseley. “Você poderia ter uma única recepcionista cobrindo todos os cinco andares.”

De maneiras que vão além dos detalhes básicos de conduzir reuniões, o Zoom sairá da pandemia como uma empresa diferente. No início de 2020, quando novos usuários invadiram a plataforma, as medidas de privacidade e segurança da empresa foram repentinamente criticadas. Em seguida, fez dezenas de ajustes para proteger melhor os usuários e evitar os riscos da era COVID-19, como o Zoombombing. No final, recebeu o crédito pela velocidade e eficácia de sua resposta.

“Em abril passado, assumimos o compromisso de não apenas elevar o nível de privacidade e segurança da perspectiva do Zoom, mas também para a indústria”, diz Moseley. “E acho que estamos permanecendo fiéis a esse credo.” Ele aponta para a nova criptografia ponta a ponta para reuniões, que suportava um máximo de apenas 200 participantes quando foi lançada em outubro passado, mas agora atinge a capacidade máxima de 1.000 pessoas.

Outra coisa que mudou no Zoom: além de ser uma ferramenta útil para a realização de reuniões de negócios, também pode abranger encontros virtuais de todos os tipos, seus usuários provaram que a ferramenta é capaz de muito mais. Eles têm feito tudo através do Zoom, desde colaborações musicais a serviços religiosos, acampamentos de verão a visitas ao Papai Noel.

Quando essas atividades puderem ser vivenciadas pessoalmente com segurança, o Zoom voltará às suas raízes corporativas? Moseley não espera isso.

O que o Zoom da era pandêmica fez foi achatar o mundo e torná-lo muito menor”, diz ele. “Eu estava conversando com uma cliente em Madrid e ela me contou como estava animada por ter feito uma aula de ioga com um instrutor em Bangalore. Ok! Por que não? Então, sim, acho que muito disso vai persistir.