Categorias
Blog

Relatório PwC: Como o ESG conduzirá a próxima onda de transformação


Mesmo antes de a COVID-19 derrubar as empresas e a sociedade, o movimento ambiental, social e de governança (ESG) estava ganhando força. Desafios de longo alcance, como mudança climática e inclusão econômica, concentraram as mentes dos investidores e executivos na importância das prioridades de longo prazo e dos relatórios não financeiros; cerca de 200 CEOs assinaram a declaração da Business Roundtable 2019 de que os interesses de todas as partes interessadas, não apenas os acionistas, exigiam a atenção da alta administração. Em seguida, a pandemia global aumentou a consciência de como todos nós estamos interconectados, a rapidez com que choques externos podem afetar a economia global e como a confiança e a transparência são fundamentais para a operação da economia.

Essas correntes cruzadas estão se unindo para impulsionar a próxima onda de transformação corporativa: a transformação ESG. Pensando nisso, os executivos Peter Gassmann e Colm Kelly escreveram esse artigo para a PwC. E nós trazemos os pontos principais.

Como o digital, o ESG tem o potencial de renovar o modo como as organizações planejam, implementam e operam com sucesso. Também como o digital, o ESG é um tópico extenso, tornando um desafio para as organizações saber por onde começar. No caso do digital, essa incerteza levou muitas organizações a começarem pequenas: elas se esforçaram, lançando piloto após piloto – aprendendo no processo, mas também correndo o risco de serem ultrapassadas por concorrentes mais ambiciosos que foram mais rápidos em agarrar a oportunidade para reimaginar seus negócios digitalmente.

Hoje, a maioria das equipes de gerenciamento percebe que capturar o verdadeiro potencial do digital exige uma abordagem completa – um programa abrangente no qual o digital atinge todos os aspectos da empresa, cada unidade de negócios e função. O digital não apenas permite que você faça a mesma coisa mais rápido, mas muda o que você faz.

O mesmo é verdade para ESG: vai ao cerne de por que você está no negócio, quem você é como empresa, qual é o seu impacto no mundo, como você alinha seu modelo de negócios com as necessidades da sociedade, o que você relata, e como você envolve seu pessoal e as partes interessadas em geral. Com a transformação digital ainda um trabalho em andamento para a maioria das empresas, a ideia de enfrentar outra grande transição pode parecer assustadora.

“Sugerimos, no entanto, que adiar a transformação ESG cria o risco de que, à medida que reconectar sua empresa, você conecte antigos modelos de criação de valor que não podem atender às preocupações de suas partes interessadas e às necessidades de longo prazo de sua o negócio. Também se torna cada vez mais provável que você deixe de administrar riscos muito reais e materiais e se descubra em descompasso com seus acionistas”, advertem os autores do artigo.

Para entender como é iniciar tal transformação, considere a experiência recente de uma empresa industrial, que começou a dar passos de longo alcance para se colocar em uma trajetória mais sustentável em termos de clima e preocupações dos stakeholders. ESG cobre uma ampla gama de tópicos, com diferentes áreas de foco em diferentes setores. Neste exemplo, os aspectos relacionados ao clima são os mais proeminentes, pois têm o maior impacto no modelo de negócios da empresa. Embora ainda seja cedo para os esforços desta empresa, os movimentos que a empresa já fez – que estão influenciando sua abordagem de estratégia, finanças e incentivos, tecnologia e governança e relatórios – fornecem a outras organizações um vislumbre do que provavelmente está por vir.

Estratégia
A empresa começou definindo uma ambição clara centrada em metas ousadas, inicialmente visando metas de redução de emissões operacionais de curto prazo e se tornar uma empresa líquida zero até 2050 com base em uma combinação de metas absolutas e de redução de intensidade. Para atingir esses objetivos, a organização elevou a sustentabilidade a uma prioridade estratégica e identificou um conjunto de intervenções de apoio à gestão, a partir de um processo de planejamento reformulado com a sustentabilidade em seu núcleo. Para informar suas prioridades estratégicas, a empresa estudou novas tecnologias de energia, em áreas como eólica, solar, baterias e hidrogênio, além de tecnologias de redução de emissões, como a captura de carbono. Com base nos insights dessas descobertas, a empresa desenvolveu uma estratégia de portfólio até 2050, mostrando a taxa em que seria necessário desinvestir negócios tradicionais e fontes de energia e com que rapidez seria necessário substituí-los por opções mais verdes. Para criar opções antecipadas, a empresa criou um fundo de risco que poderia identificar e investir em tecnologias promissoras, por meio de investimentos diretos em alguns casos e joint ventures em outros.

Finanças e incentivos
A empresa também aplicou uma lente de sustentabilidade para futuros investimentos de capital. Por exemplo, antes de construir uma nova instalação, a organização já havia conduzido análises financeiras tradicionais, como o valor presente líquido, para que pudesse determinar se aquela instalação representava o melhor uso de capital. Nessa análise, o componente de carbono foi relegado a uma reflexão tardia (um mecanismo interno de precificação de carbono). Mas a empresa percebeu que essa abordagem não era mais suficiente. Ao fatorar o carbono de uma forma mais explícita, a empresa realmente mudou os métodos de projeto e construção de novos sites, para reduzir as emissões e apoiar as metas de sustentabilidade. Para cimentar essas metas na mente dos executivos, a empresa reservou milhões de dólares em incentivos de gestão vinculados ao desempenho da sustentabilidade. Agora está criando uma estrutura de incentivos semelhante para toda a força de trabalho.

Tecnologia
A transformação digital não é apenas uma analogia para a jornada ESG à frente; é também um facilitador de práticas de negócios sustentáveis. Uma das unidades de negócios da empresa recentemente colocou toda a sua cadeia de suprimentos em um sistema ERP baseado em nuvem – uma primeira etapa crítica para ajudar os fornecedores a rastrear, relatar e reduzir seu impacto de carbono. A empresa está buscando formas de estabelecer parcerias mais estreitas com todos os fornecedores, para que possa impulsionar a agenda da rede zero em toda a sua rede. Esta etapa é crítica porque para esta empresa industrial, como para muitas organizações de grande porte, a maior parte de sua pegada de carbono está na cadeia de suprimentos, não dentro dos limites da própria empresa.

Governança e relatórios
Para reiniciar a conversa do conselho, o CEO pediu aos consultores de sustentabilidade que orquestrassem um conjunto de exercícios de dramatização sobre o ambiente de sustentabilidade em 2050. Especialistas técnicos também mantiveram conversas individuais com diretores individuais, para responder às suas perguntas e esclarecer questões técnicas subjacentes investimentos propostos. E a empresa mudou sua abordagem para a modelagem futura do conselho, não mais olhando apenas para o desempenho financeiro, mas adicionando um componente de carbono. Essa abordagem de medição mais holística também está influenciando os relatórios da empresa, que se tornaram significativamente mais transparentes, com uma definição clara das metas de sustentabilidade e atualizações regulares sobre o progresso para alcançá-las. A dimensão dos relatórios não financeiros representa uma diferença importante das transformações digitais: nas transformações ESG, as partes interessadas, como investidores, reguladores, organizações não governamentais, clientes e funcionários, exigirão muito mais transparência das empresas.

A empresa já tem uma boa notícia para relatar: está um ano adiantado no cumprimento de suas metas de emissões operacionais de curto prazo. Esses sucessos animaram executivos, funcionários e outras partes interessadas, direcionando suas energias para a próxima onda de progresso e metas mais ambiciosas.

Este exemplo é focado na sustentabilidade climática, e ESG abrange questões sociais da mesma maneira e pelos mesmos motivos. Muitas empresas já estão trabalhando com igual sucesso para responder a essas questões usando a mesma abordagem. A jornada de transformação ESG se concentrará em ambos.

Tal como acontece com a jornada digital, o impulso ESG cresce com pilotos de sucesso e vitórias rápidas que estão conectadas a um todo maior. No entanto, os paralelos com o digital vão mais longe. O cenário de negócios está repleto de empresas mortas e moribundas que tentaram implementar transformações digitais sem pensar nas implicações, levando à perda de valor, clientes insatisfeitos e executivos expostos. Prevemos o mesmo para aqueles que não adotam uma abordagem proativa e abrangente para a transformação ESG.