Categorias
Blog

Como seus relacionamentos irão mudar, por Esther Perel


Considerada como uma das principais vozes sobre relacionamentos individuais e coletivos, a aclamada psicoterapeuta belga Esther Perel é uma das palestrantes da HSM Expo 2020. Perel, que é também experiente em tratamentos de traumas coletivos, como o ataque terrorista de 11 de setembro, traz neste artigo uma análise sobre os impactos sociais após seis meses de pandemia.

À medida que ultrapassamos a marca de meio ano desde que a pandemia de Covid-19 começou a se espalhar na América, a terrível novidade de tudo se desgastou em uma estabilidade misteriosa onde eu moro. Mas em muitas partes da América, o pico de Covid-19 chegou relativamente recentemente. Hoje, não importa onde você esteja, quero dizer o que está por vir em seus relacionamentos mais próximos e o que fazer a respeito.

O Novo Normal não é mais novo
Você ansiará por pessoas específicas. Para mim e meu marido, eram nossos filhos adultos, que não vimos ao longo dos meses de cuidadoso isolamento. Ainda não vi meu filho mais velho por causa das restrições de viagens internacionais.

Você estabelecerá regras básicas como nunca antes. Não abracei ninguém, exceto meu marido e um dos meus filhos.

Você ocupará um estado de “separados, mas juntos” e até mesmo começará a parecer normal. Tanto que cometerá erros. Não pensei duas vezes antes de compartilhar minha água com um amigo enquanto caminhava a dois metros de distância, sem perceber que o hábito se tornou um perigo. Com um gole, meses de preocupação, cautela e negociação espacial foram completamente desfeitos. Eu me peguei dizendo o que se tornou uma das minhas frases mais usadas hoje em dia: “Se não podemos seguir nossas regras, para que serve tudo isso?”

Você descobrirá que são esses pequenos momentos de intimidade que parecem mais difíceis de restringir. Não apenas porque é doloroso privar-se do toque, mas porque mesmo o menor lapso de julgamento pode desencadear uma “Paranoia Pandêmica”. Meu marido e eu temos muito em comum, mas, como a maioria dos casais, nossas diferenças se exacerbam nas crises. No início da pandemia, eu estava em constante estado de ansiedade, temendo que meu marido adoecesse e morresse. Ele, por outro lado, estava me tranquilizando, o que eu gosto, mas também me frustra. Um dia, ele me disse que iria cavar um buraco no quintal para que eu pudesse jogá-lo direto no chão, já que estava tão convencida de que ele morreria a qualquer momento. Isso nos fez rir mais forte do que em semanas. (Nossos medos são bem diferentes; nosso humor é compartilhado.)

O humor será uma graça salvadora em seus relacionamentos
Brincadeiras bem-humoradas nos ajudam a evitar o pingue-pongue da defensiva que vejo em tantos casais. Vamos ser honestos, só porque estou ansioso não significa que sou consistente. Estou gritando com meu marido para colocar uma máscara e, em seguida, me viro para compartilhar minha água com um amigo. Mas, ao me repreender de maneira divertida por minha hipocrisia, em vez de me chamar de hipócrita abertamente, meu marido usa o humor para nos ajudar a superar nosso estresse.

Você experimentará um novo tipo de intimidade com estranhos, como uma piscadela compartilhada no supermercado reconhecendo a tolice de negociar a proximidade em um corredor ou agradecendo um caixa com uma nova profundidade de gratidão.

Um novo nível de clareza
Este é um momento de repriorização em massa. Você vai avaliar suas finanças. Você vai avaliar sua saúde. Você vai avaliar o que está funcionando bem em sua vida e o que não está. O que você quer? Onde você quer estar? Com quem você quer estar? O que você quer construir?

Mas você também experimentará um novo nível de confusão que levará a brigas. E não será apenas com um parceiro. Talvez seja sua filha que quer fazer uma viagem com os amigos, ou seu irmão que se recusa a usar uma máscara perto da mãe e do pai. Ou talvez sejam os vizinhos que pararam de convidar você para churrascos porque acham que você é cuidadoso demais ou não é cuidadoso o suficiente.

Você se tornará um especialista na rigidez dos outros, mas não conseguirá ver a sua. Você verá como eles são inflexíveis e tacanhos, como não têm empatia e como podem ser irritantemente frustrantes. Mas o ritmo da escalada é que a postura de uma pessoa reforça a da outra. Quanto mais você martela que seu parceiro NUNCA lava a louça, que você DEVE se aproximar de seus pais ou que eles estão LOUCOS por quererem que as crianças brinquem com outras crianças em uma pandemia, mais eles responderão com a mesma linguagem totalística .

Você e seu parceiro delegarão emoções um ao outro mais do que costumam fazer. Um vai maximizar; o outro irá minimizar. Um vai explodir; o outro vai implodir.

Vocês terão que lembrar um ao outro que estão no mesmo time, em vez de cada um se tornar o porta-bandeira rígido de metade de um dilema. Quando sua polarização aumentar para raiva e culpa, você se envolverá em uma das três danças: lutar-lutar, lutar-fugir ou fugir-fugir. A polarização é o impasse perfeito.

Você terá que reconhecer que nenhum de vocês tem todas as respostas. Estamos confundindo desafios técnicos com desafios adaptativos. Como o Dr. Ronald A. Heifetz explica: os desafios técnicos podem ser corrigidos facilmente por uma melhoria conhecida, enquanto os desafios adaptativos não têm procedimentos ou resultados conhecidos. Eles exigem que revisemos nossas premissas e valores fundamentais. Os desafios adaptativos exigem novas habilidades, assumir posições divergentes e, o mais importante, maior tolerância à incerteza.

Você terá que se lembrar de manter a multiplicidade de soluções, bem como suas dúvidas. A rigidez e a falsa certeza podem dar uma ilusão de controle, mas é o oposto de resiliência. Para mim, ajuda o fato de meu marido ser um especialista em traumas. Como ele diz, a resiliência se trata de saltar para a frente e para trás – o que exige flexibilidade, agilidade e capacidade de adaptação.

Depois de meses disso, posso dizer: é cansativo. Navegar no ying yang de seus relacionamentos e nos mecanismos de enfrentamento para encontrar consenso em uma era de incerteza prolongada é um trabalho árduo.

Você conhecerá seus entes queridos de uma maneira totalmente nova. Às vezes será opressor e difícil. Mas no final do dia – dia após dia após dia – você se encontrará ainda cercado, física ou virtualmente – com muitas das mesmas pessoas e os mesmos problemas. Será necessário enfrentar muitos impasses, mas isso tornará seus relacionamentos mais fortes, com os outros e com você mesmo.

Colocando os holofotes em você
Quando quero sair de um impasse, recorro ao Polarity Management Grid do Barry Johnson.

  • Desenhe uma cruz. Esta é a sua grade. No lado esquerdo está a Posição A. No lado direito está a Posição B. No quadrante superior esquerdo, a pessoa com a Posição B listará os aspectos positivos do argumento do OUTRO. No canto inferior esquerdo, eles listarão os aspectos negativos. No lado direito, a pessoa com Posição A fará o mesmo para OUTRO ARGUMENTO.
  • Digamos que a Posição A é deixar seu filho brincar com outras crianças e a Posição B é mantê-los em casa. A posição B escreverá os positivos da Posição A (“isso os deixará menos solitários; eles passarão menos tempo nas telas; eles precisam de tempo social) e os negativos (eles têm asma; a vovó mora conosco). A posição A fará o mesmo para a posição B.
  • Quando listamos apenas os aspectos positivos de nossa posição, a outra pessoa passa a ter a tarefa de enfatizar os negativos. Mas se incluirmos os aspectos positivos e negativos em nossos próprios argumentos e nos argumentos uns dos outros, isso nos ajudará a tomar uma decisão que considera todos os fatores e nos ajuda a concordar, mesmo que não concordemos totalmente.