Categorias
Blog

As 4 possíveis narrativas de mundo pós-Covid


A pandemia do COVID-19 desafia líderes por todo o planeta a estabilizarem empresas e equipes em meio à crise enquanto se prepararam para um futuro incerto. Essa situação interfere diretamente em planejamentos estratégicos, operacionais e financeiros de curto e médio prazo. Pensando nisso, a Deloitte traçou os possíveis cenários econômicos para o futuro. Veja abaixo os principais pontos do report.

Quatro cenários para 2021
Cada um dos cenários apresenta um potencial de futuro que levará a implicações econômicas correspondentes. Esses cenários não são previsões sobre o que vai acontecer nem expressam uma expectativa do que deveria acontecer. Em vez disso, são histórias sobre o que pode acontecer em diferentes condições, projetadas para enquadrar as discussões de planejamento.

Os quatro cenários são baseados em duas incertezas críticas capazes de moldar as condições econômicas ao longo de 2021: a resposta do governo à pandemia e os níveis de distribuição da vacina com adoção de medidas restritivas.

Cenário 1 (chuvas ensolaradas)
Resposta do governo: mais eficaz
Distribuição/adoção de vacinas: Mal distribuída e desigualmente, aceitação fraca/mista

O ano de 2020 foi lembrado por sua sequência de grandes surpresas, mas 2021 entregou sua parte de acontecimentos inesperados também. A mais decepcionante surpresa foi que, mesmo com um número crescente de vacinas aprovadas, alcançar bilhões de pessoas necessitadas revelou-se muito mais difícil do que o esperado. A ciência foi impecável em criar várias vacinas em tempo recorde. No entanto, os pontos fracos de distribuição, desconfiança e uma doença que começou a se espalhar mais rápido do que a resposta humana foram implacáveis.

Mas haviam outras surpresas por vir, mais positivas: crescente confiança política em alguns dos maiores e mais influentes mercados do mundo. Forte apoio governamental aos negócios e trabalhadores, ajudando a manter a atividade econômica, apesar de um eleitorado dividido. Após o Brexit, a UE renovou seu compromisso de apoio mútuo para superar a pandemia. O comércio global, especialmente entre o leste e o oeste, foi reacendido, gerando mais crescimento econômico do que os pessimistas temiam, mesmo enquanto as vacinas lutavam para controlar a pandemia. As pessoas ansiavam pelo fim do COVID e das muitas restrições que se inseriram em suas vidas e meios de subsistência, mas os apoios criados por meio político foram eficazes e fundamentais até que as vacinas começassem a fazer diferença.

Cenário 2 (inverno sem fim)
Resposta do governo: menos eficaz
Distribuição/adoção de vacinas: Mal distribuída e desigualmente, aceitação fraca/mista

As esperanças que marcaram a virada do ano se revelaram um falso alvorecer. Sim, haviam vacinas, mas os desafios de distribuição contínuos significava que se recebia muito menos do que o necessário para controlar a pandemia. Nacionalismo de vacinas e desafios de produção levaram dezenas de países de renda média a não conseguirem doses suficientes, e suas economias sofreram com a oferta em queda e uma alta na demanda como resultado.

O ceticismo generalizado em relação à vacina significava que mesmo os lugares que tinham acesso não podiam alcançar a imunidade de rebanho. Como resultado, a pandemia e suas restrições foram sentidas globalmente em 2021. As mutações contínuas do vírus se espalharam mais rapidamente do que a vacina, mantendo bloqueios em diversas regiões durante grande parte do ano.

As tensões entre e dentro dos países em torno de uma política eficaz para “nivelar a curva “- obrigatoriedade do uso de máscara, bloqueios, restrições de viagem – fez com que poucos lugares fossem capazes de manter o vírus sob controle por tempo suficiente para dar uma chance à vacina. No final do ano, aviação, hotelaria, varejo tradicional e serviços ainda sofriam em grande parte do mundo, até mesmo em lugares que mantiveram sua vigilância e sucesso em manter a contagem de casos baixa (por exemplo, Taiwan, Nova Zelândia, Vietnã e Coreia do Sul).

Cenário 3 (chuva forte)
Resposta do governo: menos eficaz
Distribuição/adoção de vacinas: amplamente distribuída e aceita

Depois de alguns solavancos iniciais com o lançamento de vacinas no início do inverno, os programas de vacinação aceleraram e foram adotados. Um número significativo de pessoas nas economias avançadas se sentiram prontas para voltar ao senso de normalidade. Só havia um problema: o normal não estava pronto para elas. Muitas pequenas e médias empresas não foram capazes de sobreviverem 12 a 15 meses de pandemia. As falências tornaram-se comuns, os encargos da dívida tornaram-se incontroláveis ​, levando a uma onda crescente de inadimplência. Os impactos foram desiguais e, em muitos lugares, não há empregos suficientes.

Algumas pessoas não podem mais pagar o aluguel ou hipoteca e inadimplem dívidas pessoais. O choque resultante do lado da demanda em algumas das maiores economias envia ondas por todo o mundo. Mercados financeiros e tecnologia voam alto, então os investidores estão felizes, mas a diferença visível entre felizes investidores e trabalhadores frustrados ameaça transbordar em novas ondas de levante populista. Nas ruas, há uma crescente insatisfação com os negócios e a política. Os eleitores – saudáveis, sim, mas com fome também – estão se voltando novamente contra os partidos tradicionais.

Cenário 4 (novo amanhecer)
Resposta do governo: mais eficaz
Distribuição/adoção de vacinas: amplamente distribuída e aceita

Se 2020 parecia ser um nível baixo após o outro – devido a uma pandemia que desligou a economia global em questão de semanas de forma devastadora, com incêndios florestais em vários continentes – 2021 parecia ser o antídoto. No início do ano, as vacinas COVID foram introduzidas em diversos países ao redor o mundo, e o lançamento tornou-se cada vez mais eficaz. Os formuladores de políticas e os bancos centrais responderam com forte estímulo, permitindo que negócios e empregos permanecessem estáveis, mantendo a confiança do consumidor e a coesão social.

Apesar de algumas pessoas permaneceram cautelosas sobre a vacina, a imunidade de rebanho foi alcançada durante o verão nos países ricos e está no mesmo caminho na maioria dos países emergentes. As medidas para suprimir o vírus abriram a porta para a atividade econômica se recuperar e, em algumas áreas, prosperar. O resultado foi uma onda de confiança que abriu novos investimentos empresariais, novos gastos do consumidor e novas infra-estruturas públicas. Os bloqueios na maioria dos lugares acabaram. O turismo reaqueceu e os consumidores estão recuperando o tempo perdido. Os mercados de ações subiram. Há novos protocolos em todos os lugares – passaportes de imunização, rastreamento de contato – mas eles parecem um pequeno preço a se pagar às pessoas ao redor do mundo que estão ansiosas para os novos anos 20.

2021 ainda é incerto, porém decisivo
Agora é a hora de medidas decisivas serem tomadas para suavizar os choques e, ao mesmo tempo, nos prepararem para o que pode mudar à medida que o futuro se aproxima.

É importante ressaltar que as decisões que esses executivos tomarem no curto prazo determinarão como suas organizações estarão no longo prazo.