fbpx
Tempo de leitura: 3 minutos

As novas tecnologias impactaram o mercado, os negócios e o ambiente de trabalho, de várias formas possíveis. Por meio delas, a maioria dos processos e das tarefas que envolvem o dia a dia de qualquer empresa foram simplificados, tornando-se mais integrados e eficientes.

Além disso, a tecnologia mudou a maneira como as pessoas se comunicam no local de trabalho. A chegada dos smartphones, das redes sociais e dos aplicativos de mensagens instantâneas levou a comunicação entre os colegas de trabalho a um outro nível, e até videoconferências já são comuns em reuniões quando alguém da equipe não está presente na empresa.

Entre todos os benefícios implementados na cultura organizacional de muitas empresas devido às inovações tecnológicas, o trabalho remoto talvez seja um dos fatores que mais chama a atenção, além de ser um indicativo de como será o trabalho do futuro.

Mas já houve um tempo em que trabalhar em casa não era nem sequer cogitado. Se seus colegas quisessem entrar em contato com você fora do escritório, não conseguiriam te enviar e-mails nem mensagens instantâneas. O que tornou o trabalho remoto uma realidade – além da mudança comportamental e cultural encabeçada pelas startups de inovação – foi a popularização da banda larga e da internet sem fio.

Apesar de ainda não ter 100% de aprovação em muitos lugares, o trabalho remoto – também conhecido como home office – traz benefícios tanto para a empresa quanto para o funcionário. De acordo com a Global Workplace Analytics, colaboradores que trabalham de forma remota, em tempo integral, podem reduzir em US $ 10.000 os custos da organização, por funcionário, durante 1 ano.

E não é só a empresa que sai ganhando! O home office incentiva uma maior produtividade, a criatividade e o bem-estar de seus colaboradores. Um relatório da Owl Labs revelou que os funcionários americanos que trabalhavam de forma remota pelo menos uma vez por mês eram 24% mais propensos a se sentirem mais felizes e mais produtivos em comparação àqueles que não tinham essa opção.

Se os números continuarem a crescer, pesquisas indicam que o trabalho remoto poderá ser igual – se não ultrapassar – a quantidade de escritórios fixos até o ano de 2025. Entretanto, essa possibilidade de conseguir trabalhar de casa, longe dos colegas do escritório, está levantando alguns questionamentos com relação ao senso de comunidade, que acaba ficando em falta nestes ambientes.

Se na sua época de colégio, sair para tomar uma água era sinônimo de aproveitar para interagir com os colegas de classe, nas organizações, tirar cinco minutos para tomar um café equivale a mesma coisa. Além disso, muitas ideias costumam surgir dessas conversas despretensiosas que acontecem na hora do café. Porém, com os colaboradores trabalhando de casa, esse bate-papo acaba se tornando cada vez menos frequente.

Para ir mais a fundo nessa discussão, Pedro Nascimento, que faz parte da área de Desenvolvimento Organizacional no Grupo Anga, contou um pouco sobre os pontos positivos e negativos que envolvem trabalhar remotamente. Com uma cultura que incentiva a autonomia e a autogestão, no grupo – onde trabalham cerca de 60 pessoas -, a maior parte delas realiza suas tarefas de forma remota, todos os dias da semana. “Não acho que se perde o senso de comunidade, ele só precisa ser construído de outras formas e, especialmente, de forma consciente, com processos e rituais para tal”, afirmou Pedro. Segundo ele, apesar da distância e da falta de contato no dia a dia, a vontade de se socializar não se perdeu e os colegas de trabalho costumam se encontrar presencialmente com alguma frequência, a fim de sanar essa necessidade da conversa informal.

Pedro completa dizendo que há pontos positivos e negativos no trabalho remoto, que podem depender de pessoa para pessoa e da cultura organizacional de cada empresa. De forma geral, há algumas desvantagens. São elas:

•Menos conversas informais para gerar laços de amizade;
•A colaboração para a construção coletiva é mais difícil;
•É mais complicado utilizar práticas tradicionais de gestão para engajar o time;
•Os líderes têm menos controle sobre as atividades.

Mas para cada desvantagem, há um benefício que torna o home office mais atraente, afinal, por meio dele, os colaboradores podem:

•Ter mais qualidade de vida;
•Maior flexibilidade no trabalho;
•Maior senso de autonomia e responsabilização;
•Menor gasto com custos fixos.

Em suma, podemos concluir que o trabalho remoto tem todos os atrativos para ser adotado cada vez mais pelas empresas do futuro, mas também é preciso que elas criem políticas e ações entre seus colaboradores para evitar essa sensação de isolamento que o home office pode promover.

Natália Fazenda
Área de Conteúdo da HSM

Receba novidades por e-mail.